terça-feira, 29 de julho de 2008

UBERABA E O PODER LEGISLATIVO - 1837 AOS DIAS ATUAIS


Francês, diplomado em medicina, veio para Uberaba, em 1853, como médico do Batalhão de Guardas Nacionais.
Homem erudito e orador fluente, por aqui, exerceu várias funções, auxiliando Fernando Vaz de Melo a fundar, em 1842, o primeiro estabelecimento de instrução secundária em Uberaba (atual Colégio Marista Diocesano). Em 1859, edificou um colégio para o ensino de português, latim, francês, geografia, aritmética, geometria e retórica (Rua Manoel Borges). Em 1862, participou da construção do Teatro São Luís e escreveu peças para serem ali representadas. Jornalista, iniciou a imprensa do Triângulo Mineiro e publicou, em 1874, o primeiro jornal de Uberaba e do Triângulo, nomeado de Eco do Sertão, O Uberabense, Monitor Uberabense, O Progresso e O Paranaíba. Além disso, assumiu os cargos de professor, médico, vereador, advogado e inspetor da instrução pública. Apoiou a construção da Santa Casa. Deu ao "Sertão da Farinha Podre" o nome de "Triângulo Mineiro" e, em 1875, desenvolveu a primeira campanha separatista, desejando anexar a região ao Estado de São Paulo. Ordenou-se em 1876 e, em seguida, foi nomeado vigário. Durante sua gestão, o município vivenciava:
A reanimação do comércio com a chegada de famílias ricas, uma vez que a guerra civil dificultou a vinda de algodão da Europa.
A promoção do alistamento de voluntários da Pátria para se incorporarem à Guarda Nacional, tendo em vista a organização do sistema de defesa militar diante da ameaça da invasão do Paraguai.
A invasão do território do Mato Grosso (atual Estado do Mato Grosso do Sul), pelas tropas do Paraguai, em 12 de fevereiro de 1865.
A criação de fundo de assistência para garantir o socorro aos soldados feridos em combate ocorre e anunciação da vitória brasileira na Batalha do Riachuelo, durante os conflitos da Guerra do Paraguai.
A divulgação da vitória brasileira na guerra do Paraguai e realização de festejos pela Câmara e Igreja Matriz, a fiscalização rigorosa sobre o comércio local, pois a abertura de novas empresas exigia a regularização da documentação junto à Prefeitura Municipal, a indicação de Hermógenes Cassimiro de Araújo, filho do Barão da Ponte Alta, para o cargo de administrador da Recebedoria de Ponte Alta[1] (1866).
O estabelecimento – pela Câmara – de critérios para o alinhamento das ruas, observados a partir das construções das casas, de forma a permitir o arruamento e a canalização de córregos e regos d’água.
A apresentação sem fardas e sem espadas dos recrutas mineiros aquartelados em Uberaba, provocando embaraços aos vereadores e alguma deserções.
A implementação do comércio de sal com o Mato Grosso, intensificando o trabalho dos condutores de carros de bois destinados àquele estado. (1867)

[1] Note-se a importância deste Porto para a economia local, devido à transferência da “rota salineira” de São João Del Rey, para a região de Uberaba. Ponte Alta era o caminho das tropas, vindas da estrada do Anhangüera, no Estado de São Paulo.

quarta-feira, 23 de julho de 2008

CAMINHADA PELA SUSTENTABILIDADE


Em parceria com Instituto Agronelli, o Arquivo Público participou, sábado, dia 19 de julho, pela manhã, da caminhada pela sustentabilidade. O evento, realizado pelas crianças atendidas pelo Instituto, teve como objetivo conscientizar a população da cidade de Uberaba da necessidade de preservação das praças e do meio ambiente.
A caminhada percorreu: a avenida Leopoldino de Oliveira, o Calçadão da Artur Machado, a rua São Sebastião e finalizou na praça Dom Eduardo, com uma homenagem a Edgar Francisco da Silva, morador do bairro Boa Vista que criou e manteve, onde antes, havia um matagal, uma área verde. Sua iniciativa eliminou a convivência com o perigo representado pelo terreno baldio. Posteriormente, uma das praças do bairro passou a ter seu nome.
No centro da Dom Eduardo, Sebastião Donizete da Silva, filho de Edgar, plantou uma muda de ipê ao lado de uma placa na qual está o nome do homenageado, para sempre guardado na memória da cidade.
Luiz Henrique Caetano Celuralle

terça-feira, 22 de julho de 2008

O PODER LEGISLATIVO - 1837 AOS DIAS ATUAIS


Durante sua gestão, ocorreram os seguintes fatos:
· Fundação, pelo professor Manoel Terra, da Escola Pública de instrução primária do sexo masculino.
· Organização da Companhia Dramática Uberabense (1862).
· Primeira apresentação de Teatro amador, na cidade, mostrando a história de Uberaba (1863).
· Calçamento da entrada do beco do comércio (antiga rua do Comércio).
· Início da produção de tabaco no município.
· Melhoramentos nas estradas.
· Aumento do volume de negócios relacionados ao gado. A Câmara nota um interesse maior da Província em relação às negociações de gado.
· Inauguração do teatro (1864).
· Construção de um Lazareto[1], devido à epidemia de bexiga (varíola), vacinação da população e distribuição gratuita de medicamentos.
Ao mesmo tempo, apesar dos esforços das autoridades, a varíola espalhou-se e a Prefeitura Municipal teve que providenciar a vacinação dos habitantes e a distribuição gratuita de remédios.
[1]Na época, era comum a construção de hospitais fora da cidade, para tentar conter as epidemias e evitar a contaminação da população por doenças infecciosas.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

XIV CONGRESSO REGIONAL DE EDUCADORES DE UBERABA E TRIÂNGULO MINEIRO

O Arquivo Público participará do XIV Congresso Regional de Educadores de Uberaba e do Triângulo Mineiro, promovido pela Secretaria Municpal de Educação e Cultura, cujo tema, neste ano, abrange a comunicação no processo educativo e as tecnologias da informação.

MINICURSO:
História de Uberaba: o documento histórico como informação e as novas tecnologias (blog) como subsídio para a prática escolar

CONTEÚDO: estudo da história de Uberaba, manuseio de documentos históricos, realização de pesquisa relacionada a temas variados (a partir de fotografias, atas, inventários, jornais e livros de historiadores uberabenses) e interação com o blog do Arquivo.

DATA: 01/08 (Sexta-feira) – 07h 30min às 11h 30min

LOCAL: sede do APU

MINISTRANTES(s): Luiz Henrique Caetano Cellurale, Marise Diniz, João Araújo e Iara Fernandes

OBJETIVO GERAL: promover a ampliação dos conhecimentos relativos à história de Uberaba, situando a documentação do Arquivo como fonte de pesquisa e o blog como alternativa de comunicação no processo educativo.

PÚBLICO ALVO: professores do Ensino Fundamental e Médio

terça-feira, 15 de julho de 2008

O PODER LEGISLATIVO - 1837 AOS DIAS ATUAIS

Nasceu em Ouro Preto, em 1803 e chegou a Uberaba, em 1835.
No mesmo ano, tornou-se sócio do Ten. Cel. Barcelos, mas desfez-se da sociedade e fundou novo estabelecimento comercial no Largo da Matriz, canto da Rua São Sebastião.
Exerceu os cargos de: subdelegado, delegado de polícia, vereador, Juiz Municipal Suplente e Juiz de Paz (leigo).
Deu continuidade às obras da reforma da Igreja da Matriz, da qual foi zelador e, em 1856, autorizou a construção do Cemitério São Miguel, desvinculado da matriz.
Durante sua gestão, o Coronel Borges Sampaio e o professor Manoel Terra começaram a atuar politicamente no município. A Câmara Municipal, ao solicitar ao Governo que a vila fosse elevada à categoria de cidade, fundamentou-se em recenseamento feito por Sampaio. Em 2 de maio de 1856, Uberaba, com aproximadamente dois mil habitantes no espaço urbano, teve a permissão, para tornar-se cidade, de acordo com a lei provincial nº 759. No mesmo ano, a antiga igreja de Santo Antônio e São Sebastião foi demolida, permanecendo no local, o Cemitério São Miguel.
Politicamente, havia muitas disputas entre os políticos liberais e os conservadores que resultavam em ameaças, graves desavenças e no fechamento de escolas. O episódio mais comentado da época foi uma discussão entre, Antônio Elói Cassimiro de Araújo, o Barão da Ponte Alta (Partido Liberal) e o Coronel José Teixeira Alves de Oliveira, (Partido Conservador).
Faleceu em Poços de Caldas, em 1886.


terça-feira, 8 de julho de 2008

UBERABA E O PODER LEGISLATIVO - 1837 AOS DIAS ATUAIS


Foi um dos três sobreviventes de doze filhos e, em 1835, muda-se de Araxá para Uberaba com sua família.
Era muito popular, pois além de ser proprietário de um estabelecimento comercial do lado direito do Largo da Matriz Nova, hospedava – em sua residência – os fazendeiros que vinham ao povoado.
Exerceu os cargos públicos de agente do correio, juiz municipal suplente, vereador e presidente da Câmara e, ainda: apoiou a construção do Hospital de Misericórdia de Uberaba, organizou os distritos, indicando fiscais para conferir as rendas e designou juizes de paz para São Pedro de Uberabinha e o distrito de Dores do Campo Formoso.
Faleceu, aos setenta e nove anos, em 23 de dezembro de 1887. Foi homenageado pela Câmara Municipal com a nomeação, no Bairro Estados Unidos, da Rua Major Barcelos, que principiava no Largo Santo Rita e findava no Largo da Piedade.
Durante a sua gestão, foram vários os acontecimentos:
· Elaboração e submissão à aprovação da Assembléia Legislativa de Ouro Preto, de um novo Código de Posturas para solucionar o problema da criminalidade.
· Encaminhamento da proposta de municipalização da cobrança de impostos referentes ao trânsito no pedágio no Porto de Ponte Alta, Porto da Espinha e Porto Custódio Antunes, ao Governo Imperial, com o intuito de aumentar a arrecadação de verbas. A proposta foi aprovada, em 1859 e um fiscal e um coletor foram designados para trabalhar no local. Em 1860, no entanto, a Câmara desiste da municipalização devido aos prejuízos aos cofres, acarretados pelos portos.
· Escolha do Dr. Henrique Raymundo Des Genettes, em 1857, para realizar a apuração da prestação de contas da Prefeitura. No mesmo ano, registro dos talões, entregues aos comerciantes da cidade, para a concessão e abertura de suas respectivas casas comerciais.
· Realização do 13º Círculo Literário da cidade.
· Prestação de contas pela Câmara, ao Governo Provincial, sobre: o estado sanitário da cidade, os melhoramentos obtidos na criação do gado “vacuum e cavalar”, a fábrica de tecidos, a criação do bicho da seda, a indústria de mineração, agrícola e fabril, os progressos e melhoramentos da cidade.
· Contagem das cabeças de gado para o recolhimento do imposto junto aos proprietários.
· Apresentação de um projeto de criação de uma nova Província no Triângulo Mineiro, tendo como capital a cidade de Uberaba, em 1858.
· Recebimento de uma circular do Governo Imperial, solicitando informar aos fazendeiros que deveriam pagar as suas despesas, caso requisitassem colonos europeus.
· Instalação de um estabelecimento de caridade, dirigido pelo Frei Eugênio Maria.
· Organização do setor administrativo da Prefeitura por meio do trabalho de uma pessoa, contratada para conduzir os ofícios da Câmara aos seus destinos.
· Impedimento da transferência do Frei Eugênio da cidade, até que fossem concluídos os trabalhos no Hospital da Caridade.
· Realização do calçamento do Largo da Matriz, inauguração do “Colégio da Conceição” e recomendação para o plantio de trigo e algodão, em 1861.


quinta-feira, 3 de julho de 2008

ATAS DA CÂMARA

Para a pesquisa referente aos Prefeitos de Uberaba (textos publicados semanalmente neste Blog) foram utilizadas fontes primárias que fazem parte do acervo do Arquivo Público de Uberaba. Entre elas as atas de reuniões da Câmara Municipal.

A série: Atas de Reuniões da Câmara contém desde o Livro 1 - 07.07.1857 a 02.03.1871 até o Livro 169 - 27.04.1993 a 29.04.1993

NOSSAS PRAÇAS

À esquerda, terreno onde foi construído o prédio dos Correios.
À direita, onde se localiza a Praça Henrique Krüger, atualmente.
O historiador do Arquivo Público de Uberaba, Luiz H. C. Celuralle, junto à historiadora Maria Antonieta Borges Lopes, pesquisou e o JM publicou, de 13 de janeiro a 29 de junho, os aspectos históricos de oito importantes bairros da cidade e aproximadamente quarenta biografias de personalidades que nomeiam as praças desses bairros. As publicações, relacionadas abaixo, já estão disponíveis para pesquisa.

CENTRO
Henrique Krüger, Manoel Terra e Rui Barbosa

SÃO BENEDITO
Ângela, Princesa Isabel, Aurélio Luiz da Costa, Dr. Jorge Frange, Vicentino Rodrigues da Cunha e Chico Corrêia

MERCÊS
Cinira Bracarense, Ressurreição, Dom Eduardo, Filhinho Batista, Altamira, dos Lírios, das Margaridas, Graziela Soares e Leda Juliano

FABRÍCIO
Santa Terezinha, São Judas Tadeu, Estevão Pucci, Roberto Medina Finzi, João Vito, Magalhães Pinto, Antônio Delfino e Manoel Inocêncio Ferreira

BOA VISTA
Clemência Cicci Veludo, Edgar Francisco da Silva, Vicente Araújo de Souza, Dr. José Pereira Rebouças, Adelício Leocádio, Markito e Jorge Furtado

ESTADOS UNIDOS
Nilza Ferreira, Afonso Pena, Carlos Gomes, Comendador Quintino, Afonso Oliveira Teixeira e Vereador Jamir Abdalla

ABADIA
João Batista de Carvalho, da Abadia e Complexo Esportivo Cairo Theodoro Batista

LEBLON
São Domingos, São Martinho, São Jorge, José Vallim de Melo, Pio XII e Custódio Guimarães

UBERABA E O PODER LEGISLATIVO - DE 1837 AOS DIAS ATUAIS


Nasceu em Ouro Preto e veio para Uberaba, em 1815, permanecendo, até 1855, no cargo de Vigário. Tio e educador dos escritores Bernardo Guimarães e Manuel Joaquim da Silva Guimarães, atribui-se a ele o fato de ser o primeiro a escrever e publicar poemas na região. Primeiro vigário de Uberaba, provavelmente foi também o primeiro historiador da cidade, mas seus registros – de próprio punho – não existem mais. Era irmão do Coronel Carlos José da Silva, conhecido político do partido Conservador. Por alvará de Dom João VI e, como vigário encomendado até 1825 e vigário colado, até 1855, administrou a Igreja construída por requerimento do sargento-mor Antônio Eustáquio de Oliveira e Silva.
Durante sua gestão, as relações comerciais entre Uberaba, a corte (Rio de Janeiro), o Porto de Santos e as regiões de Goiás e Mato Grosso foram implementadas a partir da redução da distância entre Uberaba e Franca, por meio da abertura de um novo caminho em direção ao Estado de São Paulo, partindo do Porto de Ponte Alta e atravessando o Rio Grande. Em seu mandato foram inauguradas a Igreja do Rosário (1842), a primeira escola pública feminina de ensino primário (1853) e a Igreja Santa Rita (1854).
Trecho de um soneto de sua autoria:

"Ou cedo, ou tarde cumpre que o vivente,
O seu tributo pague à natureza:
Existe o homem, qual a tocha acesa,
Que apaga ao leve sopro, de repente..."

Poema completo na Revista Convergência. nº 11. 1981.

ACERVO DE DOCUMENTOS ACADÊMICOS E REPRODUÇÕES DISPONÍVEIS PARA PESQUISA

A) Monografias, dissertações e teses

1. A CONQUISTA DA LIBERDADE: CENAS DO COTIDIANO UBERABENSE NAS ÚLTIMAS DÉCADAS DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL
Florisvaldo Ribeiro Júnior
Universidade Federal de Uberlândia
Uberlândia – MG
1989
2. A CONQUISTA DO CAPITAL: AS TRANSFORMAÇÕES NO ESPAÇO RURAL DE CONQUISTA
Maria Benedita Cavalini
Universidade Estadual Paulista
Rio Claro – SP
1988
3. A CONSTRUÇÃO DA CIDADE: A CÂMARA MUNICIPAL DE FRANCA E A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO URBANO
Cacilda Camássio Lima
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
1995
4. A HISTÓRIA CONTADA ATRAVÉS DA ARQUITETURA DE UMA RUA
Éder Donizete Pimenta
Universidade de São Paulo
São Paulo – SP
1978
5. A HISTÓRIA DOS MEIOS DE TRANSPORTE DE UBERABA
Faculdade de Educação de Uberaba
Trabalho Acadêmico de alunos
Uberaba – MG
2000
6. A IDÉIA DE SALVAÇÃO EM FREI BARTOLOMÉ DE LAS CASAS
Reinaldo Rossi
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
1993
7. A IRMANDADE DE SÃO JOSÉ DOS HOMENS PARDOS OU DE BEM
CASADOS – VILA RICA (1725 – 1790)
Vânia Fátima Marino
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
1993
8. A LEI E A (DES)ORDEM: CRIMINALIDADE E PRÁTICA DA JUSTIÇA NA COMARCA DE UBERABA – MG (1890 – 1920)
Marcelo de Souza Silva
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
2004
9. A OESTE DE MINAS: ESCRAVOS, ÍNDIOS E HOMENS LIVRES NUMA FRONTEIRA OITOCENTISTA – TRIÂNGULO MINEIRO (1750 – 1861)
Luís Augusto Bustamante Lourenço
Universidade Federal de Uberlândia
Uberlândia – MG
2002
10. A ORIGEM DO SANEAMENTO E DOS PRINCÍPIOS URBANÍSTICOS NA CIDADE DE UBERABA
Ana Paula Arruda Mendes Pinheiro
Campinas – SP
1994
11. ARQUITETURA RELIGIOSA ATÉ O SÉCULO XIX: SISTEMAS CONSTRUTIVOS DA IGREJA SANTA RITA DE UBERABA
Luciana Bracarense Coimbra
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Rio de Janeiro – RJ
2000
12. ARQUITETURA RELIGIOSA DO SÉCULO XIX NO ANTIGO SERTÃO DA FARINHA PODRE
Marília Maria Brasileiro Teixeira Vale
Universidade de São Paulo
São Paulo – SP
*anexo: Inventário Histórico Arquitetônico
13. CAIAPÓ E PARANÁ – Luta e sobrevivência de um povo
Odair Geraldin
Departamento de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências de Campinas
Campinas – SP
1994
14. CAMPOS DE CARVALHO: INÉDITOS, DISPERSOS E RENEGADOS (NOVA)
Geraldo Noel Arantes
Iel/ Unicamp
Campinas - SP
2005
15. CAPITAL, LABOUR AND THE STATE IN RECORD TO BRASILIAN AGRICULTURE: THE TRIÂNGULO MINEIRO
Maria Regina Nabuco Palhano
Universidade of Manchester
16. CIÊNCIA E ECONOMIA: O INSTITUTO ZOOTÉCNICO E A PECUÁRIA ZEBUÍNA EM UBERABA
Pedro dos Reis Coutinho
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
2004
17. DE BATUQUES E TRABALHOS: RESITÊNCIA NEGRA E A EXPERIÊNCIA DO CATIVEIRO EM UBERABA (1856 – 1901)
Florisvaldo Ribeiro Júnior
PUC – SP
São Paulo – SP
2001
18. DE CAÇADOR DE MARAJÁS A PRESIDENTE CASSADO: o papel da imprensa na ascensão e queda de Fernando Collor de Mello
Elivanete Aparecida Zuppolini Barbi
Franca – SP
1995
19. DOS SERTÕES DESCONHECIDOS ÀS CIDADES CORROMPIDAS: um estudo sobre a obra de João de Minas (1929 - 1936) (NOVA)
Leandro Antônio de Almeida
Universidade de São Paulo - USP
2008
20. EMBATES ENTRE O ENSINO RELIGIOSO E O ENSINO LAICO NA IMPRENSA DE UBERABA
Sirlene de Castro Oliveira
Universidade Federal de Uberlândia
Uberlândia – MG
2002
21. ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM UBERABA - MG (1881 – 1938): UMA TRAJETÓRIA DE AVANÇOS E RETROCESSOS
Plauto Riccioppo Filho
Universidade de Uberaba
Uberaba – MG
2007
22. ESPIRITISMO, MAÇONARIA E MEDICINA: PRÁTICAS CIENTÍFICAS DA HARMONIA UNIVERSAL
Nádia Rodrigues Alves Marcondes Luiz Lima
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
1988
23. ESCRAVIDÃO, COTIDIANO E RELAÇÕES DE GÊNERO NO SERTÃO DA FARINHA PODRE, UBERABA (1871 - 1888) (Trabalho de Conclusão de Curso) (NOVO)
Júlio César, Ranata Santos e Rosângela Vicente
Universidade de Uberaba
2008
24. GEOPOLÍTICA DO TRIÂNGULO
Antônio Moacir Silveira
Faculdades Integradas de Uberaba/ Universidade Federal de Santa Catarina
Uberaba – MG
1983
25. IMAGENS E VOZES DO SERTÃO DA FARINHA PODRE NA PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DE ANTÔNIO BORGES SAMPAIO (1880 - 1908) (NOVA)
Augusto Bragança Silva Pigrucci Rischiteli
Universidade Estadual Paulista
Franca - SP
2005
26. JESUÍTAS X ÍNDIOS: A CONQUISTA DE CORPOS E MENTES
Isanildo Lopes
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
1992
27. MINAS GERAIS NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX: UM ESTUDO DOS ASPECTOS MATERIAIS NOS RELATOS DOS VIAJANTES
Paulo de Jesus Nogueira
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
1996
28. MOGIANA: OS TRILHOS DA MODERNIDADE
Eliza Bartalozzi Ferreira/ Márcia Almada
CNPQ/ Fundação Cultural de Uberaba
Uberaba – MG
1989
29. O CHÃO É O LIMITE: A FESTA DE PEÃO BOIADEIRO E A DOMESTICAÇÃO DO SERTÃO Sidney Valadares Pimentel
Universidade de Campinas
Campinas – SP
1996
30. O INFAME COMÉRCIO – propostas e experiências no final do tráfico de africanos para o Brasil (1800 – 1850)
Jaime Rodrigues
Universidade de São Paulo
São Paulo - SP
31. O MUNDO DO TRABALHO NA ORDEM REPUBLICANA: A INVENÇÃO DO TRABALHADOR NACIONAL (NOVA)
Florisvaldo Paulo Ribeiro Júnior
Universidade de Brasília
2008
32. O MUNICIPALISMO DE WASHINGTON LUÍS EM SUA ATUAÇÃO EM BATATAIS (1893 – 1900): ASPECTOS DA MODERNIZAÇÃO URBANA DO INTERIOR PAULISTA NA REPÚBLICA VELHA
Robson Mendonça Pereira
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
1998
33. O MUNICÍPIO BRASILEIRO: EVOLUÇÃO E CRISE
Eurípedes Carvalho Pimenta
Universidade de São Paulo
Franca – SP
1978
34. O OLHO NA RUA
Fernando Machado
Trabalho Acadêmico da UNIUBE
Uberaba – MG
2004
35. OS CAMINHOS, AS PESSOAS, AS IDÉIAS, A TRAJETÓRIA POLÍTICA DE
GILDO LACERDA, SUA REDE DE SOCIABILIDADES E SUA GERAÇÃO
Mozart Lacerda Filho
Universidade Estadual Paulista “Júlio Mesquita Filho”
Faculdade de História, Direito e Serviço Social
Franca – SP
2006
36. OS INTELECTUAIS E AS CRÍTICAS ÀS PRÁTICAS ESPORTIVAS NO BRASIL (1890 – 1947)
Universidade de São Paulo
São Paulo – SP
2000
37. PAJENS DA CASA IMPERIAL: JURISCONSULTO E ESCRAVIDÃO NO BRASIL DO SÉCULO XIX
Eduardo Spiller Pena
Universidade Estadual de Campinas
Campinas - SP
38. PERSPECTIVA DA EVOLUÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO E DA CÂMARA
Betty Ragazzi
Universidade de São Paulo
São Paulo
1979
39. REPRESENTAÇÃO E VESTÍGIO DA (DES) VINCULAÇÃO DO TRIÂNGULO MINEIRO: UM ESTUDO DA IMIGRAÇÃO ITALIANA EM UBERABA, SACRAMENTO E CONQUISTA (1890 – 1920)
Heladir Josefina Saraiva e Silva
Universidade Estadual Paulista
Franca - SP
40. RIO UBERABA: QUANDO OS DESGASTES AMBIENTAIS REFLETEM OS DESGASTES SOCIAIS (NOVA)
Mara Santina Maciel de Oliveira
Universidade de Uberlândia
2005
41. SOB O SIGNO DA VIOLÊNCIA: COLONIZADORES E KAYAPÓ DO SUL NO BRASIL CENTRAL
Jézus Marco de Ataídes
Universidade Federal de Goiás
Goiânia – GO
1991
42. SOBRENATURAL E COTIDIANO – APARIÇÕES DE NOSSA SENHORA
Inez Gonçalves da Silva
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
1996
43. TEMPLO DO BEM – o Grupo Escolar de Uberaba, na escolarização Republicana (1908 – 1918)
Rosângela Maria Castro Guimarães
Universidade Federal de Uberlândia
Uberlândia – MG
2007
44. TRIÂNGULO: CAPITAL COMERCIAL, GEOPOLÍTICA E AGROINDÚSTRIA
Carlos Antônio Brandão
UFMG
Belo Horizonte – MG
1989
45. UBERABA RELIGIOSA
Maria Los Cardoso Mendes
Universidade Estadual Paulista
Franca – SP
1968
46. UM LUGAR NA CIDADE: O CONJUNTO ALFREDO FREIRE NAS MEMÓRIAS E EXPERIÊNCIAS DE TRABALHADORES – UBERABA - MG (1979 – 2004)
Edna Maria Chimango dos Santos
Universidade Federal de Uberlândia
Uberlândia – MG
2006
47. UNIDADE E FRAGMENTAÇÃO: O MOVIMENTO SEPARATISTA DO TRIÂNGULO MINEIRO
Rogata Soares Del Gáudio Longui
Campinas – SP
1994
48. VIDA E MORTE DE UM CÓRREGO: A HISTÓRIA DA EXPANSÃO URBANA DE UBERABA, MG, E DO CÓRREGO DAS LAJES (NOVA)
Renato Muniz
Universidade Uberlândia
2004
49. WHADY NASSIF NA PREFEITURA DE UBERABA
Luzia Maria de Oliveira e Silva
Universidade Federal de Uberlândia
Uberlândia – MG
2006

B) Reproduções, projetos e manuais

1. 1811 - 1910 – UBERABA: UMA TRAJETÓRIA SÓCIO-ECONÔMICA
Elaine Mendonça Marquez de Rezende – UFG - 1983
2. A BANDEIRA DO ANHANGÜERA A GOYAZ EM 1722
Rio – 1917
3. A CÂMARA MUNICIPAL
Mayr Godoy
4. A ESCRAVIDÃO NEGRA NO PENSAMENTO DO BISPO AZEREDO COUTINHO
Contribuição ao estudo da mentalidade do último inquisidor geral
5. A ESTRADA DO ANHANGÜERA
Alexandre de Souza Barbosa e Silvério José Bernardes
6. A FUNDAÇÃO DA POVOAÇÃO DE DESEMBOQUE
Sebastião de Afonseca e Silva
7. A IMPRENSA DE UBERABA
Hildebrando Pontes - 1931
8. A TRAGÉDIA DO LÍBANO: Retrato de uma guerra civil
Domingo Del Pinto
9. ABCZ 50 ANOS DE HISTÓRIA E ESTÓRIAS
Maria Antonieta Borges Lopes e Eliane M. Márquez de Rezende - 1984
10. BARÃO DE ESCHWEGE
Waldemar de Almeida Barbosa - 1977
11. BRASIL: O NOVO MUNDO
Tradução integral de Sieglinda Klug Nogueira
12. CAIAPÓ E PARANÁ
Volumes I, II, III e IV
13. CAMPINA VERDE E A CONGREGAÇÃO DA MISSÃO DE SÃO VIVENTE DE PAULO
Nicodemus de Macedo – 1941
14. CAMPINA VERDE SUA PRIMEIRA HISTÓRIA
Nicodemus de Macedo
15. CARTAS ROCEIRAS
Arquivo Público de Uberaba – Volumes I e II
16. CASA E INSTITUIÇÕES ESPÍRITAS DE UBERABA
2003
17. CAUSOS DE NENÊ MAMÁ – 40 ANOS DE HSITÓRIA DO FUTEBOL DE UBERABA
Luiz Gonzaga de Oliveira
18. CENTRO DE ATIVIDADES DO TRABALHADOR – ALBERTO MARTINS FONTOURA BORGES
Dossiê histórico - 2000
19. CÓDIGO CRIMINAL DO IMPÉRIO DO BRASIL
Araújo Figueiras Júnior - Volumes I e II - 1876
20. CÓDIGOS PENAIS DO BRASIL
Evolução histórica
21. COLÉGIO OBJETIVO JÚNIOR
Uberaba - 2001
22. COLUNISMO SOCIAL: UM CAMPO DE POSSIBILIDADES PARA A
INVESTIGAÇÃO HISTÓRICA
Luciana Maluf - 2004
23. COMARCAS E TERMOS
Theóphilo Feu de Carvalho
24. CONTRIBUIÇÃO À HISTÓRIA DAS IDÉIAS NO BRASIL
João Cruz da Costa - 1967
25. CORJA DE ANÕES
Orlando Ferreira (Doca)
26. COROGRAFIA HISTÓRICA DA PROVÍNCIA DE MINAS GERAIS (1837)
Raimundo José da Cunha Matos – Volume I
27. CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS
28. CULTURA É UM BOM NEGÓCIO
Prefeitura Municipal de Araguari
29. DA PALMATÓRIA AO PATÍBULO
José Alípio Goulart
30. EDIÇÃO COMEMORATIVA DOS 80 ANOS DE CRIAÇÃO DA DIOCESE DE UBERABA (1907 – 1987)
31. ENCADERNAÇÕES ESCRITAS EM JAPONÊS
32. FOLIAS DE REIS – RESGATE E REGISTRO
Arquivo Público de Uberaba
33. FONTES PRIMÁRIAS PARA A HISTÓRIA DA ESCRAVIDÃO EM VASSOURAS
Fundação Educacional Severino Sombra/ 1º Catálogo – Volume I – 1988
34. FONTES PRIMÁRIAS PARA A HISTÓRIA DA ESCRAVIDÃO EM VASSOURAS
Fundação Educacional Severino Sombra/ 2º Catálogo – Volume II – 1995
35. FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
36. GENEALOGIA MINEIRA
Hildebrando Pontes
37. GODELIER
Edgar Assis Carvalho
38. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS
39. GUIA DE ORIGENS UBERABA
Arquivo Público de Uberaba - 1995
40. GUIA DE FONTES PARA O ESTUDO DA HISTÓRIA DE UBERABA NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Arquivo Público de Uberaba - 1996
41. GUIA PARA NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS: MONOGRAFIAS, DISSERTAÇÕES, TESES E PROJETOS DE PESQUISA
Universidade Federal de Uberlândia – 1999
42. HISTÓRIA DA ESCOLA MUNICIPAL PROFESSORA GENI CHAVES
Waleska Dayse Dias de Sousa
Uberaba – 2000
43. HISTÓRIA DE UBERABA E A CIVILIZAÇÃO DO BRASIL CENTRAL
Hildebrando Pontes – ALTM – 1978
44. HISTÓRIA E TRADIÇÃO EM UBERABA – CATIRA
Arquivo Público de Uberaba - 1993
45. HISTÓRIA TOPOGRÁFICA DA FREGUESIA DE UBERABA (VULGO FARINHA PODRE)
Vigário Silva – 1824 e 1826
46. LEVANTAMENTO DAS FONTES PRIMÁRIAS PARA A HISTÓRIA DA IMIGRAÇÃO NO TRIÂNGULO MINEIRO E ALTO PARANAÍBA
Arquivo Público de Uberaba
47. MANUAL PARA NORMALIZAÇÃO DE PUBLICAÇÕES TÉCNO-CIENTÍFICAS
Júnia Lessa França
48. MEMÓRIA SOBRE A MUDANÇA DO DISTRITO FEDERAL
1946
49. MEMÓRIAS HISTÓRICAS DO RIO DE JANEIRO
José de Souza Azevedo Pizarbo e Araújo – 9º volume – 1948
50. MINHAS RECORDAÇÕES DA INFÂNCIA E JUVENTUDE
José Machado Borges (Juquita Machado) – 1990
51. MINHAS RECORDAÇÕES DA INFÂNCIA E JUVENTUDE
José Machado Borges (Juquita Machado) – 1998
52. MUNICÍPIO DE CONQUISTA
Comarca de Uberaba
53. NEGROS ESTRANGEIROS: OS ESCRAVOS LIBERTOS E SUA VOLTA À ÁFRICA
Manuela Carneiro Cunha
54. NOBLIARCHIA DO TRIÂNGULO MINEIRO
Subsídio para a história dos grandes da mesopotâmia triangulina
55. NOTÍCIA ESTATÍSTICA – CHOROGRÁFICA E HISTÓRICA DO MUNICÍPIO
DE ARAXÁ
1928
56. O ESPÍRITO DAS ROUPAS
Gilda de Mello e Souza
57. O PÂNTANO SAGRADO
Orlando Ferreira (Doca)
58. O PROBLEMA IMIGRATÓRIO E SEUS ASPECTOS ÉTNICOS - NA CÂMARA E FORA DA CÂMARA
Fidélis Reis e João de Faria – 1924
59. O REFLORESTAMENTO NO TRIÂNGULO E O GRUPO TRIFLORA
Gilberto Andrade Rezende - 1973
60. ORIGENS UBERABA
Arquivo Público de Uberaba – 1995
61. OITO TEXTOS DE GERALDO SEMENZATO
FIUBE – 1985
62. OS ALDEAMENTOS INDÍGENAS NA CAPITANIA DE GOIÁS
Marivone Matos Chain
UNICAMP
63. PLANO DECENAL MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (2006 – 2015)
2007
64. PELOS CAMINHOS DA HISTÓRIA DE SANTA RITA DO PARAÍSO
Sebastião Ângelo de Souza – 1985
65. PLANO DE DESENVOLVIMENTO URBANO DE UBERABA
66. POVOADORES DO SERTÃO DO RIO DA PRATA
Benedito Antônio Tiradentes Borges
67. PROJETO KAYAPÔNIA – ABADIA DOS DOURADOS A ITURAMA
Arquivo Público de Uberaba
68. REDESCOBRINDO O RIO UBERABA
Levantamento e relatório da primeira etapa dos seus problemas e de suas potencialidades – maio/ 2001
69. RELAÇÃO DE LEIS QUE INSTITUEM HOMENAGENS
Câmara Municipal de Uberaba
70. RELATÓRIO DA PRIMEIRA AVALIAÇÃO DO PLANO DECENAL MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (2006 – 2015)
2007
71. SEGUNDO PLANO INTEGRADO DE DESENVOLVIMENTO DO NOROESTE
MINEIRO – PLANO DIRETOR
Plano Diretor de desenvolvimento Urbano do Município de Uberaba – 1994
72. SEMINÁRIO EPISCOPAL
Polyanthea – Álbum de publicação commemorativa – 1º qüinquagenário da fundação do Seminário Episcopal de São Paulo – 09 de novembro de 1856 a 09 de novembro de 1906
73. SÍNTESE FACTUAL DA INCONFIDÊNCIA MINEIRA
Márcio Jardim - Volumes I e II
74. SOCIOLOGIA E ANTROPOLOGIA
Marcelo Mauss – volumes I e II
75. TERRA MADRASTA
Orlando Ferreira (Doca)
76. TEXTOS DE ODORICO COSTA (transcrição)
2004
77. TOTALITARISMO
78. UBERABA – 2784 DIAS DE TRABALHO
79. UBERABA EM DADOS
80. UM SANTO PARA CADA DIA
Mário Scarbassa/ Luigi Giovannini
Edições Paulinas - 1983
81. VIAGEM À PROVÍNCIA DE GOIÁS
Auguste de Saint-Hilaire
Editora Itatiaia/ Ed. Da UNESP
82. VIDA E OBRA DE SILVA E SOUZA
José Mendonça Teles - 1977