terça-feira, 30 de setembro de 2008

LEITURAS INTERESSANTES

COISAS QUE ME CONTARAM CRÔNICAS QUE ESCREVI


O livro de Jorge A. Nabut, cuja capa foi criação do arquiteto Demilton Dib, inicia-se com a história do Desemboque, “... o berço de nossa civilização triangulina” (p.5) e segue contando sobre o surgimento da aldeia e da cidade, as viagens de Saint-Hilaire, a estrada do Anhangüera e a luta contra os índios. Destaca a Rua Artur Machado, os cinemas, o comércio, a indústria, a música e os músicos: Rigoleto de Martino, Renato Frateschi, Loreto Conti e João Vilaça Júnior. Também relembra a vinda do Zebu, o caminho das Índias com João Martins Borges e os mascates e analisa os blocos arquitetônicos/ culturais de Uberaba, demarcando as épocas históricas (p29).

Com textos em forma de crônica, Nabut questiona o “estado de desprezo e desleixo em relação à cultura”, parafraseando Francelino Pereira: que país é esse? Na p.11, encontramos: “A amnésia cultural tem sido um mal comum do país, criando um vácuo insolúvel e principalmente, irrecuperável dentro da nação. A amnésia cria um povo sem história. Sem memória”.

Na crônica “Sentimento Urbano”, publicada em 1977, discorre sobre os acontecimentos de Uberaba e finaliza o texto com o trecho: “...Enquanto isso, o Major Eustáquio, fundador da cidade, salta dum carro de praça e aluga um apartamento apertado no edifício (é difícil, meu chapa) do Banco Nacional e me confessa confuso que não quer que lhe falem de Araras nem Pacholas, e que não quer outra vida pescando no rio de jereré...” (p. 23)

A obra dedica uma parte especial ao folclore e à cultura popular, com a história de Sebastiana: “na casa dum pessoal, um estranho barulho. Num havia nada. E a porta de casa rangendo que num quietava...” e com outros casos, desafios e contos. Aborda o tema carnaval e relata a história do bloco Maria Giriza, além de registrar as manifestações de Moçambique, Congo, Umbanda e a Festa de N.S. da Abadia e destacar os artistas plásticos Hélvio Fantato e Maria Hummel.

Com o jeito gostoso de escrever, o autor nos faz “ver”, “viajar” e revisitar locais de Uberaba. É uma importante fonte de consulta que busca a valorização da cultura de nosso povo.

Marise Soares Diniz
obras do acervo: A Igreja em Uberaba (1987), Desemboque Documentário Histórico e Cultural (1986), Fragmentos Árabes (1ª edição - 2001/ 2ª edição - 2007), Memórias de Mariana (1995), Paisagem Provincial (1984) e Sesmarias do Corpo (1986)

Nenhum comentário: