sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL - DE 1837 AOS DIAS ATUAIS

Nasceu em Muiriaé (MG), em 1897.

Advogado atuante, também exerceu os cargos de Delegado de PolÍcia e Diretor da Cia. Mineira de Eletricidade. Entre os anos de 1933 a 1936, foi prefeito nomeado da cidade de Juiz de Fora. Posteriormente, por indicação do Governador Benedito Valadares, tornou-se prefeito de Uberaba, administrando a cidade por 7 meses.

Durante a sua passagem pelo Executivo Municipal:
- realizou reparos internos e externos no Mercado Municipal.
- ampliou a captação de água no rio Uberaba.

Também era escritor e, dentre suas várias obras, destaca-se A Revolução de 30 e os Municípios, lançada em 1942.

Faleceu em 1949, na cidade de Belo Horizonte.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

LEITURAS INTERESSANTES

História de Uberaba e a Civilização no Brasil Central

Hildebrando Pontes nasceu, em 1879, na cidade de Conquista. Em Uberaba, colou grau de engenheiro agrônomo, em 1898, pelo Instituto Zootécnico. 

Escrevia nos jornais Lavoura e Comércio e Diário de Franca e em outros jornais de Uberaba e de outras cidades. Publicou, no Almanaque Uberabense, a monografia “A arte dramática em Uberaba – o Teatro São Luis”. É o autor da obra “Genealogia Mineira” e, em 1976, a Revista Convergência nº7 trouxe, de sua autoria, “Cem anos de imprensa”.
Idealizou o Clube Separatista (campanha para a criação do estado independente do Triângulo Mineiro) e, por meio dessa campanha, levou o governo estadual a uma tentativa de reparar suas omissões com a construção da ponte Afonso Pena, abertura de uma agência bancária e ampliação dos trilhos da Mogiana, dentre outras obras. 

Em 1912, com o maior número de votos, foi eleito vereador e, em 1915, atuou como Agente Executivo (prefeito). Faleceu em 1940.

Por iniciativa da UNIPAC, a 2ª edição (1978) do livro História de Uberaba e a Civilização no Brasil Central foi relançada.

No início da obra, o significado da bandeira da cidade é explicado e dados como: limites geográficos, formação da cidade e população de índios, negros, brancos são apresentados.
Na sequência, há informações sobre as entradas e bandeiras e o desbravamento da região; o surgimento de Desemboque; as sesmarias (distribuição de terras); as correntes imigratórias; o comércio, as obras públicas e a Revolução de 30. O livro conta também sobre o desenvolvimento da cidade, sua arquitetura e as nomenclaturas das ruas e sobre os partidos políticos e os bastidores da política, inclusive o golpe sofrido por ele, ao tentar mudar a situação do fornecimento de energia da cidade. 

É um dos livros mais usados como fonte de pesquisa, sobre aspectos históricos da cidade, no APU. Para o historiador local, uma leitura obrigatória.

Outras obras do acervo:

A História do futebol de Uberaba
Vida, Casos e Perfis
Memória Eclesiástica da Diocese de Uberaba