quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

O Carnaval em Uberaba no final do século XIX e início do XX

NO FINAL DO SÉCULO XIX E INÍCIO DO SÉCULO XX A COMUNIDADE UBERABENSE COMEMORAVA O CARNAVAL COM MUITA ANIMAÇÃO E SIMPLICIDADE, CUJOS EVENTOS FORAM REPORTADOS PELAS PROPAGANDAS E MATÉRIAS CONTIDAS NOS JORNAIS “GAZETA DE UBERABA” E “LAVOURA E COMÉRCIO”, RELACIONADOS, A SEGUIR:
GAZETA DE UBERABA, 11 DE FEVEREIRO DE 1887 - NÚMERO 494, p. 04

 “No domingo último, à noite, percorreu as ruas desta cidade um animado Zé Pereira que pintou a saracura.
Ao que nos consta, nos três dias consagrados a Momo se exibirá uma sociedade carnavalesca que pretende dar muita sorte. Que venha”.
FONTE: LAVOURA e COMÉRCIO - 15 DE FEVEREIRO DE 1900 , p. 01


FONTE: LAVOURA E COMÉRCIO - 18 DE FEVEREIRO DE 1900, p. 01



 “Na noite do ultimo domingo, um animado Zé-pereira transitou pelas ruas desta cidade, alegrando a população com as suas cantorias e danças. Ao que nos consta vamos ter um carnaval v’lan, em que serão apresentadas cousas do arco da velha. Muitos confetes se jogaram, nesse dia, sobretudo ao anoitecer. Este brinquedo, entretanto carece muito da animação que teve o ano passado”. 
FONTE: LAVOURA e COMÉRCIO - 22 DE FEVEREIRO DE 1900, p. 01
 

FONTE: LAVOURA e COMÉRCIO - 22 DE FEVEREIRO DE 1900, p. 01

ENTRUDO

“No meio da mais franca alacridade, risos e rejubilações, surgiu entre nós, o tradicional jogo do entrudo, fazendo estar alerta os que se atiram a esse pugilato, inofensivo e amigo. Dizemos pugilato, porque não é elle mais que íntima e alegre batalha, em que pessoas amigas , encontrando-se , trocam renhidamente entre si, ora uma nuvem de confetes ou  serpentinas douradas, de pétalas ou corolas, ora uma fricção aromada, com o mesmo ardor, às vezes, do soldado que troca balas na arena de combate. Essa luta tem os encantos da meiguice. Ela se empenha nos limites onde reina a amizade, a união e a confiança. Nestes dias que atravessamos a pessoa  que subir à rua  , passando perto de um sortimento de confetes  e serpentinas, não poderá ficar magoada ou se enfiar com o fato de em se lhes atirando , esses microscópicos  corpos lhe salpiquem a veste ,(.....) os cabelos , pondo-lhe em ligeira confusão. 
São coisas da época, essa pandega, esse garrídico, esse jubilo enfim que se comunica e invade a alma popular.
São coisas da época, essa pândega, esse garrídico, esse júbilo, enfim, que  se  comunica, e invade a alma popular.No Alto dos Estados Unidos e em algumas ruas da cidade temos notado já bem folgazão o travesso, o Entrudo.
No theatro, as senhoritas vitimas deste inofensivo ataque hão de ter recebido com muchas gracias a fuzilaria quese lhes dirige freneticamente.
Que se continue neste folguedo”.
FONTE: LAVOURA E COMÉRCIO, 30 DE JANEIRO DE 1902,p. 02


UMA NOITE DE CARNAVAL

“Carnaval – espancando a monotonia da nossa triste Uberaba, um grupo de foliões carnavalescos percorreu anteontem diversas ruas da cidade em animado e retumbante Zé Pereira, que era acompanhado da banda de música dos Retrancas.
Em frente à nossa redação, o alegre Grupo União ergueu vivas ao Lavoura e aos seus redatores , indo parar em frente ao Hotel do Commercio, onde dançaram um esbodegante catira. Consta-nos que esses destemidos carnavalescos organizam para hoje novo e atroador Zé Pereira”.
FONTE: LAVOURA E COMÉRCIO,  26 DE FEVEREIRO DE 1905, p. 01
 
LAVOURA E COMERCIO, 11 DE MARÇO DE 1906, EDIÇÃO 696, p. 04



O CLUB DOS FENIANOS
FONTE: LAVOURA E COMÉRCIO. 06 FEVEREIRO DE 1916, p. 02

- À frente “acha-se agora o incançavel moço sr. Randolpho Rocha
- O sr. Randolpho Rocha começará a agitar desde o proximo domingo  o entusiasmo para o carnaval, organizando para esse dia um retumbante e espalhafatoso Zé- Pereira que sairá do teatro São  Luiz.
- Para auxiliar as despesas que não são pequenas , do carnaval, promove-se uma brilhante quermesse  para o dia 13 do corrente no jardim da praça da Matriz. 
- Pela comissão compostas dos srs.(....) encarregada de angariar prendas já foram distribuídos muitos pedidos  às senhoritas uberabenses . Estas receberam da melhor forma o pedido, o que nos leva a crer que a quermesse  terá centenas de dádivas  primorosas.
- O jardim vai ser enfeitado para esse fim, e realçado pelo comparecimento das três bandas musicais locais.

- É possível que se cogite de uma batalha de confete  para depois de leilão de prendas.
FONTE: LAVOURA E COMÉRCIO. 06 FEVEREIRO DE 1916, p. 02



 BANDAS : CARLOS GOMES, ITALO BRASILEIRA E 4º BATALHÃO DEPOIS DA QUERMESSE HAVERÁ BATALHA DE CONFETE


- o povo aglomerou-se na praça da Matriz, onde se fez a quermesse.
- a quermesse rendeu oitocentos e poucos mil réis.
- a elegante sociedade uberabense se achava representada.
- Os Fenianos, já contrataram a confecção de numerosos carros alegóricos. Da confecção se encarregaram (...) artistas esperando-se que as alegorias surpreendam pela delicadeza e originalidade da concepção.
- Além dos carros do Club, haverá muitos particulares. Para estimular as pessoas que queiram apresentar-se em carros bem ornamentos ou alegóricos, os Fenianos vão oferecer um prêmio ao que for considerado o mais bello.Será  também dado  um prêmio ao máscara que exibir a mais rica fantasia.
LAVOURA E COMÉRCIO, 13 DE FEVEREIRO DE 1916, p. 02



“ - Correram muito alegres na cidade, os três dias de carnaval. A Rua Artur Machado foi o teatro de verdadeiros combates épicos de confetes e lança-perfumes.
- A rua tornou-se quase intransitável”.



Nenhum comentário: