Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2018

DOCUMENTO EM DESTAQUE: 100 anos do fim da gripe espanhola em Uberaba

Imagem
             A gripe atingiu toda a humanidade e seu contágio aconteceu em duas ondas. Na primeira (primeira metade de 1918), teve efeitos “pequenos”, mas, na segunda (final de 1918), depois de sofrer uma mutação, sua agressividade tornou-se perturbadora e a velocidade com que se alastrou e os estragos causados se mostraram sem equivalentes na história – nunca a guerra, catástrofe ou epidemia tinha feito tantas vítimas em tão pouco tempo. A gripe espanhola foi implacável e universal.                       Em fevereiro de 1918, a cidade de San Sebastián, na Espanha, foi infestada pela influenza e, diferentemente de outros países envolvidos na Primeira Guerra que censuravam essas informações, na Espanha as notícias foram amplamente difundidas. Os países beligerantes não permitiam a sua divulgação tentando evitar o caos nas fileiras dos exércitos. Geralmente, os governos atribuíam o nome da doença a outras nacionalidades. Quando a sífilis apareceu na Idade Média, os franceses c

Superintendente do Arquivo Público de Uberaba Marta Zednik de Casanova foi homenageada com a medalha José Mendonça

Imagem
A Câmara Municipal de Uberaba concedeu em solenidade ocorrida em 28 de novembro, a entrega da medalha "Doutor José Mendonça", a Superintendente do Arquivo Público de Uberaba, historiadora Marta Zednik de Casanova e ao advogado e escritor Guido Luiz Mendonça Bilharinho.  A solenidade ocorrida no plenário da Câmara de Uberaba, é uma honraria instituída por meio de resolução de iniciativa dos ex-vereadores Jesus Manzano (in memoriam) e Teresinha Cartafina, para homenagear pessoas que são destaque no setor de artístico e cultural no município.  Confira as imagens: Abaixo o vídeo da Cerimônia na íntegra: Homenagem de João Eurípedes Sabino a Marta Zednik de Casanova e a Guido Bilharinho O QUE SERIA? (*) O que seria da insônia? Se não existissem os escritores São eles que no meio da madrugada Despertam como quem não quer nada E do coração atendem os clamores Ӂ O que seria dos poetas? S