Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2020

Dia do Historiador

Imagem
Comemorada no dia 19 de agosto, a data foi instituída por meio da Lei nº 12.130/2009, em homenagem ao nascimento do diplomata e escritor pernambucano Joaquim Nabuco (1849-1910). Joaquim Aurélio Nabuco Araújo nasceu em 19 de agosto de 1849, no Recife. Além de historiador, Nabuco foi diplomata, jornalista e deputado geral pela Província de Pernambuco. Ele fez diversas publicações em livros, revistas e jornais, além de discursos, condenando a escravidão. Destacou-se como grande líder abolicionista no Brasil. Foi membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) e foi fundador da cadeira nº 27. Joaquim Nabuco homenageado pela Sociedade Abolicionista "Ave Libertas", 1886.  Acervo Nacional. Gravura 83
Imagem
 Fragmentos Árabes - 3 a Edição     Lançada a terceira edição do livro Fragmentos Árabes . Pela iniciativa, n ovas contribuições e inserções ampliam o interesse pela mais recente investida do jornalista, poeta e historiador. O próprio editor, Guido Bilharinho, que faz nota editorial, escreve sobre nomes femininos que o encantaram pela sonoridade. Doutora em Educação, Sálua Cecin traça importante perfil de seu avô, Calixto Cecílio (Kalil Cecin), nome fundamental nos quadros da imigração libanesa em Uberaba, cuja genealogia ganha novas páginas  com a inserção do ramo de seu primeiro casamento, com Bárbara Name. Conto assinado por Lineu Miziara e que deu título a um de seus livros, O Olhar Árabe, se soma à edição, assim como os poemas Cigarro de Palha e Compras de Caderneta com que o autor homenageia seu pai, Elias Nabut.     O leitor poderá ler a terceira edição do livro  Fragmentos Árabes,  de Jorge Alberto Nabut, acessando o link do blog:  bibliografiasobreuberaba.blogspot.com.br    

Arquivo Público passa por revitalização e recebe nova iluminação

Imagem
      A Prefeitura Municipal de Uberaba por meio da Secretaria de Administração (Sad) está reestruturando o Arquivo Público da cidade. Dentre as melhorias estão a nova iluminação, o plantio de árvores no local, reparos nas portas, paisagismo e sinalização interna.       De acordo com o gestor da pasta Carlos Dalberto de Oliveira Júnior – Belzinho, a instituição merece total cuidado. “O Arquivo Público é muito importante. O superintendente Jorge Nabut me apresentou algumas demandas logo na primeira reunião. Nós percebemos que precisava de algumas melhorias. Demos início às pequenas reformas porque ali está a história de Uberaba e é muito importante preservar e conservar todo esse patrimônio.”       Para Jorge Alberto Nabut, foram grandes mudanças. “O mais importante foi a iluminação. Não tinha nenhuma iluminação da fachada do Arquivo em uma extensão de 100 metros. Todos os postes estão iluminados e os refletores estão funcionando. Isso é muito importante não só para a segurança do Arqui

HÉLVIO - 100 ANOS

Imagem
     Muitos interpretaram as obras do artista, como fez Marco Antonio Escobar. Para ele, "Fantanto é realmente o pintor dos sentimentos, quase sempre fortes,  algumas vezes dramáticos. Inclusive a sua predileção por temas sociais é a de um típico expressionista: são sempre as pessoas do povo, de condição mais humilde, pescadores, operários, camponeses, como também o casario anônimo, os casebres e suas mulheres e meninos tristes (...)"
Imagem
  HÉLVIO FANTATO Originalidade e Autenticidade Guido Bilharinho Hélvio Fantato nasceu em Uberaba em 1920, tendo falecido em 1997. Iniciou seus estudos na escola infantil ou jardim da infância, como se denominava, dirigida pela célebre professora Edite Novais França, cursando posteriormente a Escola de Comércio José Bonifácio, onde foi aluno dos renomados professores Amadeu Pascoalini, José Maciotti e Raul de Melo Resende, de quem, então, fez inúmeras caricaturas. Em 1935 iniciou suas atividades comerciais, trabalhando com João Laterza, seu tio e pai do filósofo Moacir Laterza. No decorrer de toda sua vida exerceu a profissão de comerciante, tendo montado em sociedade com seu primo Mozart Laterza e outros importante loja de material elétrico no quinto quarteirão da rua Artur Machado, na qual sempre atendeu no balcão. Em 1942 iniciou, nas horas vagas, suas atividades de pintor, que daí em diante exerceu no decorrer de sua existência, legando considerável obra pictórica, posteriormente ac