Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017

Outras igrejas, abandono e urbanização levaram à derrubada da Igreja do Rosário em 1924

Imagem
Por Luiz Alberto Molinar A Igreja de Nossa Senhora do Rosário em Uberaba foi derrubada, em 1924, por não haver manutenção por parte da Cúria Metropolitana. Estava em ruínas. Uma restauração seria dispendiosa. A demolição ocorreu a pedido do então agente executivo (prefeito à época),o progressista Leopoldino de Oliveira (Coligação Uberabense), também deputado federal no período. Nos últimos anos de sua existência, se realizava na igreja somente a comemoração do Dia da Abolição, o 13 de Maio, relatou o memorialista e religioso católico Carlos Pedroso.  Escadaria de acesso à Igreja do Rosário, fundada em 1841 e derrubada em 1924       Era usual, durante o Império, ao se iniciar um vilarejo a construção de duas igrejas: uma para brancos e outra para negros. Portanto, a principal foi erguida no Largo da Matriz, a pç. Rui Barbosa na atualidade, onde surgiu o primeiro povoamento do lugar e se concentrou comércio, prestadores de serviço e moradias.  Parte da visita traseira d

Artigo: DA PRESERVAÇÃO DIGITAL AO ACESSO À INFORMAÇÃO: uma breve revisão

Por Daniel Flores e Henrique Machado dos Santos*  Resumo: O constante aumento de documentos digitais vem impulsionando as práticas de preservação em longo prazo. No entanto, a literatura técnica concentra-se em preservar a autenticidade dos registros, e por vezes, há pouco aprofundamento no que se refere a proporcionar condições de acesso aos usuários. Assim, realiza-se uma análise sobre as estratégias de preservação digital com ênfase na perspectiva de acesso aos usuários. O método utilizado consiste no levantamento bibliográfico de materiais previamente publicados, dentre estes: livros, teses, dissertações e artigos científicos recuperados pela ferramenta de pesquisa Google Scholar. Desta forma, obtém-se uma revisão dos métodos de preservação digital que realça sua aplicabilidade e aponta as dificuldades de acesso pertinentes ao usuário. Palavras-chave: Acesso à informação; Documentos digitais; Preservação digital; Usuário DA PRESERVAÇÃO DIGITAL AO ACESSO À INFORMA

1906: Discussões sobre o Convênio de Taubaté em Uberaba

Imagem
O  Convênio de Taubaté  de 1906 foi firmado um acordo pelo Governo Federal para proteger a produção brasileira de café , que passava por um momento crítico, de preços baixos e prevendo a colheita de uma safra recorde.             Ocorre que a demanda pelo produto no exterior permanecia estável, nessa época. Contudo, a produção no Brasil aumentava, motivada pela disseminação, desde o século XIX, da ideia de que o café era tão rentável quanto o ouro. Assim, apesar das exportações manterem-se intocáveis, muitos fazendeiros ainda invertiam capitais na plantação dos arbustos de café em suas fazendas.             Isso provocou uma queda vertiginosa do preço do produto no exterior devido à superprodução. Para evitar uma queda ainda maior, o Governo resolveu intervir, adquirindo sacas de café, acreditando que o mercado fosse se estabilizar. Apesar disso, a produção aumentava e mais sacas eram armazenadas. Mesmo não tendo o seu produto exportado (comercializado), os cafeicultores rec

Alunos da Escola Estadual Ricardo Misson visitam a Superintendência do Arquivo Público

Imagem
No dia 22 de agosto, professores e trinta e cinco alunos de 3º ano do Ensino Fundamental da Escola Estadual Ricardo Misson  vieram conhecer a sede da Superintendência do Arquivo Público de Uberaba. O historiador e educador Luiz Henrique Cellulare realizou uma dinâmica lúdica com as crianças e apresentou um vídeo sobre a história de Uberaba. Em seguida foi realizada uma visita guiada pelas dependências do Arquivo, onde os estudantes puderam conhecer diferentes gêneros de documentos (fotografias, mapas, gravações, vídeos, textuais...) e a importância dos mesmos para a memória, história e a identidade de uma comunidade. Também aprenderam como manusear, conservar e preservar os documentos históricos.

Historiador da Superintendência do Arquivo Público participa de curso de Gestão de Documentos Digitais em São Paulo

Imagem
No dia 12 de agosto, o historiador da Superintendência do Arquivo Público de Uberaba Thiago Riccioppo, participou em São Paulo do curso sobre "Gestão Eletrônica de Documentos Digitais - GED" , promovido pelo grupo Apoio Ged. O curso foi ministrado pelo pesquisador e arquivista Pablo Soledade. O curso de 8 horas teve como propósito apresentar novas tecnologias de mercados sobre softwares, equipamentos e a prática da digitalização de documentos e organização de arquivos digitais. Também houve a discussão de temáticas voltadas a legislação arquívista como a  Resolução nº 43 do CONARQ - Conselho Nacional de Arquivos, de 04 de setembro de 2015, que estabelece as diretrizes para implementação de repositórios digitais confiáveis para transferência e recolhimento de documentos digitais para instituições arquivísticas dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR. Segundo Thiago Riccioppo, os conhecimentos adquiridos no curso foram muito imp

Superintendência do Arquivo Público convida escolas para participarem de ações educativas

Imagem
A Superintendência do Arquivo Público de Uberaba desenvolve várias ações de divulgação do acervo e da história do município e convida as instituições de ensino para participarem das Ações Educativas/Diálogos entre a história, a educação e a cultura. Marta Zednik de Casanova, superintendente do Arquivo Público de Uberaba, comenta que dentre as atividades fundamentais desenvolvidas na autarquia destacam-se as Ações Educativas. Estas têm como objetivos valorizar a história do município e fortalecer o sentimento de identidade de crianças, adolescentes e jovens que participam das visitas monitoradas, desenvolvidas pela instituição. “As ações estimulam a curiosidade, o diálogo, a valorização e o reconhecimento da importância da preservação documental e das referências históricas. Desenvolvem, também, conteúdos de Educação Patrimonial”, diz. A Visita Monitorada é composta de dois momentos: acesso à história da instituição, por meio da interação com o acervo documental histórico

15 de agosto: Dia de Nossa Senhora da Abadia, a santa padroeira de Uberaba (Breve histórico)

Imagem
NOSSA SENHORA D’ ABADIA 15 DE AGOSTO Imagem de Nossa Senhora D'Abadia, santa padroeira de Uberaba. Igreja Nossa Senhora da Abadia. Década de 1920. Fonte: Superintendência do Arquivo Público de Uberaba. A festa religiosa de Nossa Senhora d’Abadia reflete a devoção popular a essa Santa, que é padroeira de Uberaba e protetora do povo. A religiosidade do uberabense também se encontra expressa nessa manifestação fervorosa. A devoção a Nossa Senhora d’Abadia teve origem nas imediações da cidade de Braga, Portugal, e remonta ao Século XII. No Brasil o culto aos santos é uma tradição trazida de Portugal.Com a expansão colonial portuguesa no século XVI foi difundido nas regiões colonizadas. No Brasil, o culto à Santa iniciou na Bahia e chegou a Uberaba tendo passado por Muquém (Goiás) e Água Suja (Triângulo Mineiro).   A devoção popular a  Nossa Senhora daAbadia  iniciou em Uberaba com a construção de uma capela, no Alto da Misericórdia (atual

As valiosas mangueiras de Alexandre Barbosa

Imagem
                                      Clique na imagem! No peculiar texto publicado em 1916 no álbum:  Uberaba: a Princesa do Sertão , organizado por Roberto Capri, é apresentada a interessante produção de mangas do engenheiro agrônomo uberabense  Alexandre Barbosa.    No bairro Mercês, às margens da antiga rua Cassu, no entorno onde hoje é a rua que leva seu nome, Alexandre Barbosa cultivava mais de 3000 árvores de inúmeras variedades de manga, nas terras que eram chamadas de  Chácara das Mangas.  As mangas de Alexandre Barbosa, como diz o texto, eram vendidas em mercados do Rio de Janeiro e São Paulo. Além das frutas, eram distribuídas mudas da espécie. É importante dizer que, desde o final do século XIX,  os triangulinos rumavam a Índia à busca de importar o gado Zebu, a exemplo de   Teóphilo de Godoy, Armel Miranda, Ângelo Costa, João Martins Borges, Alberto Parton, Quirino Pucci, Josias Ferreira de Morais , entre outros que nos anos posteriores a 1916, seguiriam o