terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Superintendente do Arquivo Público de Uberaba Marta Zednik de Casanova foi homenageada com a medalha José Mendonça




A Câmara Municipal de Uberaba concedeu em solenidade ocorrida em 28 de novembro, a entrega da medalha "Doutor José Mendonça", a Superintendente do Arquivo Público de Uberaba, historiadora Marta Zednik de Casanova e ao advogado e escritor Guido Luiz Mendonça Bilharinho.

 A solenidade ocorrida no plenário da Câmara de Uberaba, é uma honraria instituída por meio de resolução de iniciativa dos ex-vereadores Jesus Manzano (in memoriam) e Teresinha Cartafina, para homenagear pessoas que são destaque no setor de artístico e cultural no município. 

Confira as imagens:

















Abaixo o vídeo da Cerimônia na íntegra:



Homenagem de João Eurípedes Sabino a Marta Zednik de Casanova e a Guido Bilharinho



O QUE SERIA? (*)

O que seria da insônia?
Se não existissem os escritores
São eles que no meio da madrugada
Despertam como quem não quer nada
E do coração atendem os clamores
Ӂ
O que seria dos poetas?
Se não existissea agonia
Na calada da noite quando todos dormem
Eles, os poetas, despertos se consomem
Vendo no leste surgir o novo dia
Ӂ
O que seria da história?
Se não existissem os historiadores
Enquanto para muitos registrar fatos não importa
Para eles, os historiadores, nada é letra morta
Por isso seus nomes assumem grandes valores
Ӂ
O que seria das gerações futuras?
Não fossem os que preservam hoje o passado
Dão suas vidas para deixarem tudo bem escrito
Constroem um legado que caminha rumo ao infinito
O jovem de hoje lá será o grande beneficiado
Ӂ
O que seria da dor?
Não fosse um coração pronto para doer
Quando assiste a derrocada de valores inalienáveis
O historiador e o poeta sentem dores insuportáveis
Mas resistem! Como se não fossem morrer...

(*) João Eurípedes Sabino
Oferecido a Marta Zednik de Casanova e Guido Luiz Mendonça Bilharinho.

Uberaba, 30 de novembro de 2018. 

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Curso do SENAC - Uberaba visita dependências da Superintendência do Arquivo Público de Uberaba


Nesta semana, a professora Patrícia Melo e onze alunos do curso em "Assistente Administrativo", promovido pelo Serviço de Nacional de Aprendizagem Comercial - SENAC de Uberaba, visitaram a sede da Superintendência do Arquivo Público de Uberaba para conhecer como se dão os trabalhos de salvaguarda de documentos dos acervos histórico e administrativo do município desenvolvidos pela instituição.

Veja algumas imagens da visita:







quinta-feira, 1 de novembro de 2018

DOCUMENTO EM DESTAQUE: Deserção de soldados para a Guerra do Paraguai em 1865



Dr. Henriques Raimundo des Genettes foi agente executivo de Uberaba, no período de 1865 a 1869. Durante este período ocorreu o episódio da Guerra do Paraguai, onde Raimundo prestou serviço como médico no 32º Batalhão de Guardas Nacionais de Uberaba. Em apoio promoveu o alistamento de voluntários da Pátria para se incorporarem à Guarda Nacional, tendo em vista a organização do sistema de defesa militar diante da invasão do Paraguai no território do Mato Grosso (atual Estado do Mato Grosso do Sul), pelas tropas do Paraguai, em 12 de fevereiro de 1865.

Entretanto, a apresentação sem fardas e sem espadas dos recrutas mineiros, aquartelados em Uberaba, provocou embaraços aos vereadores e algumas deserções na força expedicionária.

 Outro fato que provocou baixas na tropa foi a varíola. Consta que quase um terço da população uberabense foi vítima da varíola nessa época. Cerca de 600 pessoas, entre soldados e civis, morreram nos três meses de sua duração. Na época era comum a construção de hospitais fora da zona urbana para evitar a contaminação da população por doenças infectocontagiosas. Na tentativa de coibir epidemias a Câmara construiu um “Lazareto” e transferiu os doentes para esse local.  Com a epidemia a população rural deixou de vir à cidade, ocasionando prejuízos para o comércio.

Des Genettes criou o fundo de assistência para garantir o socorro aos soldados feridos em combate.

 Apesar do recrutamento de voluntários, houve muitas deserções, causando indignação no Dr. Henriques Raimundo des Genettes, que se tornara amigo do Visconde de Taunay (engenheiro que registrou a guerra em um diário), conforme relata José Mendonça:

O cirurgião da Guarda Nacional aquartelada (Dr. des Genettes) andava furioso e debalde gastava eloquência, tentando comprimir e atalhar os contínuos acessos de terror de sua brava gente. Nada conseguiu e, no fim de pouco tempo, tudo quanto enchera o quartel se havia evaporado, levando, por cima, o fardamento distribuído, utensílios de campanha, cantinas, cinturões e o armamento! A debandada fora completa, diremos até conscienciosa.

MENDONÇA, p. 96


O documento abaixo se refere a um processo do cartório criminal do Judiciário, de 13/12/1865, onde o coronel comandante militar enviou ofício ao delegado de polícia Balbino de Morais Pinheiro, sobre possível influência do réu Fidélis José da Silva sobre soldados para desertarem.

Processo de deserção com parecer jurídico sobre o caso do réu Fidélis José da Silva. Acervo:  Superintendência do Arquivo Público de Uberaba.

Visite o Arquivo Público de Uberaba e consulte o processo e outros que lhe ajudarão a entender a história de Uberaba.